terça-feira, 30 de junho de 2009

Primeira OFicina de CaLeidOscÓpiO nO CasTeLo


A OFicina de CaLeidoscópiO Mecânico já está marcada e acontecerá em duas turmas, a escolher:
Dia 9 de julho, sexta, das 9h da manhã ao meio-dia;
e
no dia 10 de julho, das 14h às 17h.
Investimento na FeLicidade: R$ 80 à vista
ou R$ 50 no ato e cheque de R$ 40 para 30 dias
Todo o material incluído no vaLor.
Cada aluno vai construir o seu brinquedo filosófico, modelo mecânico, igual ao inventado pelo físico escocês David Brewster em 1816.

A visão caleidoscópica da Vida

Eu sempre amei caleidoscópios e tenho alguns deles. Toda vez que me deparo com um momento de pouca ou nenhuma criatividade, pego um caleidoscópio e brinco com ele. Começo a girá-lo para um lado e para o outro. Observo a metamorfose das imagens. Com cada giro, eu crio algo novo com o que já estava lá. É uma grande ferramenta para ensinar a pensar criativamente.

Na vida, as coisas nem sempre são o que parecem ser, e se olharmos de diferentes ângulos, poderemos enxergar algo novo. Nós podemos também tomar pedaços e partes de várias coisas e juntá-las para construir algo original. Se pensarmos na vida como um caleidoscópio, poderemos ver a possibilidade das mudanças ao nosso redor. Na próxima vez em que você estiver emperrado em alguma coisa e não puder ver a solução, ou sentir falta de criatividade, imagine que você está olhando para um grande caleidoscópio. Comece a girar as idéias, olhando para o problema de diferentes ângulos. Traga novos conceitos e veja como eles se combinam. Continue girando as imagens mentais até encontrar um padrão de que goste e então trabalhe com ele. O pensamento caleidoscópico tem a ver com olhar para as coisas de diferentes perspectivas, juntando o velho com o novo, disposto a mudar tudo se a possibilidade se apresenta.

Com o pensamento caleidoscópico, podemos nos desvencilhar de como as coisas deveriam ser, para expandir-nos em novas realidades. Mas é importante que nesse processo você não busque uma imagem pré-definida como resultado. Abandonar o controle é o exercício.

Você pode, em sua vida, assim como girar um caleidoscópio, estar preparado para ver e aceitar qualquer nova imagem que surja, a partir das novas combinações dos elementos que já estavam lá. Esse é o princípio do pensamento caleidoscópico. Para exercitá-lo, é necessário que você se desprenda, libere os atuais conceitos cristalizados, as convicções, para encontrar uma nova resposta.


Um caleidoscópio é um instrumento místico que organiza fragmentos dispersos em uma unidade harmoniosa.

Myriam, com tristeza, aperta em suas mãos objetos aparentemente sem valor – esta é uma cena do filme "Bee Season"- Palavras de Amor, título em Português. Neste filme, os caleidoscópios representam um papel importante.

Os fragmentos nas mãos de Myriam correspondem aos objetos no caleidoscópio, os símbolos de memórias e reminiscências das experiências diárias. Algumas são agitadas, outras contém pesares, dores, ou esperanças, alegrias e bênçãos. Os fragmentos de memória parecem dispersos na desordem, causando caos.

Fazer um caleidoscópio é criar uma infinidade de imagens que refletem cada uma das experiências do criador. Por trás do processo, existe o desejo de transformar a confusão em ordem, para saber o significado de cada experiência da vida.

Richard Gere atua como Saul, marido de Myriam e pai das duas crianças do filme. Ele é um professor conhecido por seu fascínio a respeito do Budismo Tibetano. As mandalas do Tibet são feitas de areia, e não lhes é permitido continuar intactas. Apesar do trabalho dedicado à sua construção, e do deleite de encontrar significados nelas, são destruídas a cada ritual, no fim do qual sempre é ordenado o processo de destruição. Mesmo que as mandalas não apareçam no filme, eu sinto a analogia entre elas e as imagens nos caleidoscópios, nas quais ambas são repetidamente formadas e destruídas. Esta é a cena na qual Myriam dá a sua filha um caleidoscópio sem nenhum objeto dentro – apenas o triângulo de espelhos. Ele pode significar o retorno ao caos. Por outro lado, Myriam possui um lugar secreto onde pendurou pedaços de objetos, que ela pensa serem seus complementos. Lá ela tenta restaurar o UNO perfeito, uma ordem esquecida. Quando Myriam se vê diante de uma criança sagrada, a sua filha, instintivamente lhe dá um caleidoscópio. Este ato pode ser originado do mais caro desejo, que todos os seres humanos têm em comum, de aprender o significado da experiência mostrada por Deus. Esta cena também sugere que a harmonia pode retornar depois do caos. Quando existe luz abundante, todas as partes do caleidoscópio são iluminadas. Luz é um símbolo de Deus, o criador do universo. Sem luz (sem Deus), você não pode ver nada no caleidoscópio. Ao mesmo tempo, muita luz –se você busca Deus demasiadamente – poderá ofuscar as imagens até que desapareçam na distância. Que fundamental e primordial princípio está operando aqui! Da confusão, para a harmonia; do caos para os caleidoscópios. Um caleidoscópio é um instrumento místico que limpa a confusão e cria harmonia. A vida diária pode ser frustrante e sua alma pode ficar abatida e desencorajada. Mas olhe atentamente dentro de um caleidoscópio e veja os objetos mostrando diferentes tonalidades e padrões todos os dias, e sua confusão vai desaparecer no silêncio, na luz, na beleza. Virá o tempo em que você vai enxergar a completa harmonia entre as cores e formas geométricas de um caleidoscópio – a harmonia do universo. Neste momento mágico, você vai compreender que as coisas que causam os distúrbios são apenas partículas no vasto, calmo e pacífico universo. Não é surpresa que muitos hospitais e casas de saúde estejam começando a usar caleidoscópios como parte do tratamento médico.

* Michi Araki – proprietário da Mukashi-Kan, loja especializada em caleidoscópios, EEUU.

Traduzido por Elen de Oliveira com auxílio do Yázigi Dictionary.

domingo, 21 de junho de 2009

O CasTeLo vai reabrir...



CasteLinhO do ALTO da BrOnze é reaberto por sete artistas

Nos anos 40, um rumoroso caso de amor movimenta a capital gaúcha. Uma bela jovem e um homem casado se tornam amantes. Carlos Eurico Gomes , aficcionado por castelos, decide construir um, de arquitetura medieval e janelas em estilo gótico para aprisionar sua amada, Nilza Linck, no Alto da Bronze. Mais precisamente no cruzamento das ruas Vasco Alves e Fernando Machado.

Um escândalo para a época, ainda mais que Eurico era político do PSD e casado com Ruth Caldas, irmã do diretor do jornal Correio do Povo.

O casal morou no castelinho durante 4 anos, ao fim dos quais Nilza teria fugido. O tema virou livro em 93. O romance histórico A prisioneira do Castelinho do Alto da Bronze foi escrito pelo professor universitário, ensaísta, doutor em Sociologia pela Sorbonne, Juremir Machado da Silva.

Depois da década de 50, o local já foi boate, clube de escritores e palco para peças de teatro. Após três anos fechado, o Castelinho reabre agora como espaço de cultura e arte, pela associação de sete artistas: Alejandro Ruiz Velasco, Adriana Xaplin, Elen de Oliveira, Lena Kurtz, Lisete Bertotto, Manoel Henrique Paulo e Sandra Santos.

O Castelinho do Alto da Bronze Cultural adota como linha o desenvolvimento da cultura e da arte, dos saberes tradicionais, do respeito à diversidade, À ecologia e à integração ao Centro Histórico de Porto Alegre.

O local foi preparado para abrigar os ateliers dos sete artistas, que vão oferecer oficinas e eventos artísticos abertos à comunidade.

SAIBA O QUE VAI SER OFERECIDO

OFICINAS

Pintura, escultura, caleidoscópios, toy art, papel machê, literatura, contação de histórias, fotografia, teatro, quadrinhos, e roda de poesia.

TURISMO

Os integrantes do grupo criaram a AMACASTELO, Associação de Amigos e Artistas do Castelinho do Alto da Bronze CulturaL, que possui entre os objetivos incentivar o turismo, honrando a vocação natural do castelo, com visitas públicas guiadas e outros produtos turísticos. O Castelinho do Alto da Bronze figura na lista de Castelos do mundo.

QUANDO

A inauguração acontece sábado, 27 de junho, a partir das 16h. Recepção circense com o grupo Cia Mundo paralelo, Show com Os PoeTs & convidados abduzidos, Marisa Rotemberg, caleidoscópio gigante, exposições de arte, rifa de uma obra de cada artista residente & seus convidados, a R$5,00 cada número, sorteio às 22h.

Rua Gen. Vasco Alves 432 Esquina Fernando Machado.

CONFIRMAÇÃO DE PRESENÇA: castelinhocultural@yahoo.com

Centro Histórico

Porto Alegre

Informações: ELen de OLiveira 51 9956 0147



Inicio esta postagem com a mandala de crochê da Dona GLaci, minha mãe. É claro que uma hora dessas ela iria aderir....

Na sexta-feira eu e Adriana XaPLin fizemos a entrega oficial com foto e tudo do Grande CaLeidOs, atração caleidoscópica da inauguração do CasTeLinhO do Alto da BrOnZe CuLturaL, 27, sábado, a partir das 16h (chega lá...).

O artista Gerson marques trabalha com ferro e é o responsável pela estrutura de apoio do tubo espelhado e da ampola de óleo. Aguarde emoções psicodélicas extremas no dia 27. O Grande CaLeidOs é um modelo MagiscÓpiO, vencedor do prêmio de brinquedo mais criativo do mundo em 1990. Estará instalado no alto do castelo, no torreãO.

Lisete BertottO, Sandra SantOs, Adriana XaPLin e ELen na confraternização dionísica do dia 19 de junho no terraço do casteLo. Conjunções favoráveis, planetas alinhados...sucesso no horizonte.

O presente da natureza veio na forma desta exÓtica borboleta. Ficou conosco por muitos minutos e posou confiante para minha Leica macro.

ELen de OLiveira e Adriana XaPLin organizam o início do mutirão de limpeza do casteLo. Depois que começa, só vai...

E a gente acaba ficando a própria psicodelia...

Um dos convidados para a inauguração, Donaldo SchüLLer na noite de lançamento de Fronteiras e Confrontos, livro que compila as informações trazidas pelos conferencistas de 2008 do Curso de Altos Estudos fronteiras do Pensamento.

E aqui, clica no play e assiste ao vídeo da entrada do castelinho.
video