terça-feira, 30 de dezembro de 2008

EscUTa o cantO das BaLeias


Quando canta, a baleia não exibe nenhum movimento de boca ou garganta, e por isso é impossível ao ser humano ver que está cantando. Desde uma nave sem motor, tal qual eram as embarcações a remo e vela na antigüidade, e, por causa da água na qual flutua o barco, se produz uma vibração que faz com que o som seja emitido através do casco da embarcação. Isto significa que não se pode determinar qual é a direção desde a qual se origina o canto de uma baleia, que adota facilmente un caráter desconhecido e fantasmagórico para qualquer um que o escute. É um dos comportamentos mais enigmáticos e belos do reino animal.
O canto das baleias tem inspirado a humanidade desde os tempos dos primeiros navegantes e contribuirá para a mitologia cósmica se as civilizações que encontrarem nossas embarcações espaciais conseguirem escutar os cantos gravados no disco de ouro das sondas espaciais Voyager, lançadas en 1977. Estas naves, que levarão 74.500 anos para alcançar as proximidades da estrela mais próxima em nosso sistema solar, estão levando o canto das baleias ao cosmos, junto com outros sons e imagens que retratam a diversidade da vida e da cultura da Terra. Esta mensagem na garrafa tem a esperanza de informar a existência de vida na Terra a alguma possível forma extraterrestre inteligente que conte com a capacidade de poder decifrar, e ainda mais provável que isso, de “emocionar-se” com o mistério universal dos sons da terra - e entre eles, O cantO da BaLeia.

Através dos links abaixo, você pode escutar o (en)canto das baleias.

http://www.whalesong.net/

http://www.youtube.com/watch?v=yUi6mn9KQng

Menina Canadense xinga adultos pela destruição da natureza

Já em ritmo de retrospectiva....esse vídeo circulou muito em 2007. Surpreendeu pela perspicácia, coragem e inteligência da menina, que discursou na ONU. Vale a pena assistir. Quando todos os cidadãos tiverem a consciência dela...aí sim mudaremos algo. Legendado em português.

video

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Um Oceano de plástico

Durabilidade, estabilidade e resistência a desintegração. As propriedades que fazem do plástico um dos produtos com maiores aplicações e utilidades ao consumidor final, também o tornam um dos maiores vilões ambientais. São produzidos anualmente cerca de 100 milhões de toneladas de plástico e cerca de 10% deste total acabam nos oceanos, sendo que 80% desta fração vem de terra firme.

giro-mais-lixo.jpg
Foto do vórtex

No oceano pacífico há uma enorme camada flutuante de plástico, que já é considerada a maior concentração de lixo do mundo, com cerca de 1000 km de extensão, vai da costa da Califórnia, atravessa o Havaí e chega a meio caminho do Japão e atinge uma profundidade de mais ou menos 10 metros . Acredita-se que haja neste vórtex de lixo cerca de 100 milhões de toneladas de plásticos de todos os tipos.
Pedaços de redes, garrafas, tampas, bolas , bonecas, patos de borracha, tênis, isqueiros, sacolas plásticas, caiaques, malas e todo exemplar possível de ser feito com plástico. Segundo seus descobridores, a mancha de lixo, ou sopa plástica tem quase duas vezes o tamanho dos Estados Unidos.


vortex.jpg
Ocean Plastic

O oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer, que pesquisa esta mancha há 15 anos compara este vórtex a uma entidade viva, um grande animal se movimentando livremente pelo pacifico. E quando passa perto do continente, você tem praias cobertas de lixo plástico de ponta a ponta.

sea-turtle-deformed.jpg

Tartaruga deformada por aro plástico

A bolha plástica atualmente está em duas grandes áreas ligadas por uma parte estreita. Referem-se a elas como bolha oriental e bolha ocidental. Um marinheiro que navegou pela área no final dos anos 90 disse que ficou atordoado com a visão do oceano de lixo plástico a sua frente. 'Como foi possível fazermos isso?' - 'Naveguei por mais de uma semana sobre todo esse lixo'.
Pesquisadores alertam para o fato de que toda peça plástica que foi manufaturada desde que descobrimos este material, e que não foram recicladas, ainda estão em algum lugar. E ainda há o problema das partículas decompostas deste plástico. Segundo dados de
Curtis Ebbesmeyer, em algumas áreas do oceano pacifico podem se encontrar uma concentração de polímeros de até seis vezes mais do que o fitoplâncton, base da cadeia alimentar marinha.

birdtummy.jpg
Todas a peças plásticas à direita foram tiradas do estômago desta ave

Segundo PNUMA, o programa das nações unidas para o meio ambiente, este plástico é responsável pela morte de mais de um milhão de aves marinha todos os anos. Sem contar toda a outra fauna que vive nesta área, como tartarugas marinhas, tubarões, e centenas de espécies de peixes.

dead_bird.jpg
Ave morta com o estômago cheio de pedaços de plástico

E para piorar essa sopa plástica pode funcionar como uma esponja, que concentraria todo tipo de poluentes persistentes, ou seja, qualquer animal que se alimentar nestas regiões estará ingerindo altos índices de venenos, que podem ser introduzidos, através da pesca, na cadeia alimentar humana, fechando-se o ciclo, na mais pura verdade de que o que fazemos à terra retorna à nós, seres humanos.

Fontes:
The Independent, Greenpeace e Mindfully

Ver essas coisas sempre servem para que nós repensemos nossos valores e pricipalmente nosso papel frente ao meio ambiente, ou o ambiente em que vivemos.


Antes de Reciclar, reduza!
Quando estiver no mar, neste verão, recolha seus filtros de cigarro, tampinhas de refrigerante e embalagens plásticas.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Cinema CaLeidOscÓpicO


Nilton Silva e o Rodrigo De Marte investigam as possibilidades estéticas dos CaLeidOscÓpiOs em uma tarde ensolarada na redação da TVE.

Niltinho maravilhado com a possibilidade de multiplicação das imagens.

Criador de TV, Rodrigo se encarrega de produzir imagens animadas com a câmara digital. Cinema CaLeidOscÓpicO.

O resultado, sempre um deleite sensorial, de mágica geométrica e psicodelia.

O caLeidOscÓpiO foi inventado em 1816 pelo físico escocês Sir David Brewster (www.brewstersociety.com). De la pra cá, milhares de artistas aprimoraram a arte a partir do primeiro modelo. Um deles é o de óleo, no qual as mandalas formadas pelas pecinhas coloridas adquirem movimento. Abrem e fecham, demonstrando, como na sabedoria tibetana, a expansão (e contração) do universo. E, claro, a impermanência de tudo o que existe por aqui, e a necessidade de desapego.

Um 2009 marcado por realizações positivas e o desenvolvimento da compaixão por todos os seres são meus desejos aos amigos, aos quais ofereço também esta imagem da minha gata TrUFa PreTa. Faz parte da linhagem do gato Bom-Bom, salvo de morrer no lixo junto com os irmãos em 2004 (mais uma prova de que lixo é SÓ uma coisa no lugar errado...). Emolduro meus desejos com a imagem da árvore de natal feita com garrafas pet na Casa Brasil. Localizada na av. Voluntários da Pátria, em Porto Alegre, é mantida pela ONG Moradia Solidária com apoio da Caixa Econômica Federal.

Viver sem poluir é possível. Viva a água o ar a terra e o fogo.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

CaLeidOs de NaTal


Liga o sOm e aperta nO PLay...
video
Nas fotos, dois recentes CaLeidos que foram construídos e rapidamente adotados neste fim de ano.

Heloísa Ratier se deleita com a perfeição das imagens geométricas.

CaLeidOs preto criado para Mônica Tomasi.

Agora perceba o que eles eram antes de se tornarem lindos brinquedos. Lixo não é mesmo “uma coisa no lugar errado”?

Vamos praticar os Três "R's" da preservação ambiental fazendo ArTe?
Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
TempO é ArTe

THaÍS RUssOmaNO e a ViSãO CaLeiDOsCÓpiCa Da ViDa



Thaís Russomano é gaúcha de Pelotas. PhD em Medicina aeroespacial , coordenou pesquisa de uma equipe brasileira do Laboratório de Microgravidade do Depto. de Engenharia da PUC/RS, que levou a NASA a instituir novas recomendações médicas para os participantes de vôos espaciais e parabólicos de treinamento de astronautas. Com base no estudo, a Agência espacial americana adicionou uma dieta pré-vôo e treinamento que não existiam antes. Veja o que Thaís Russomano publicou sobre os caleidoscópios de Elen de Oliveira no contexto da partida de uma querida amiga comum - a Trudel. O artigo no Diário Popular de Pelotas é datado de 22 de agosto de 2004.

A visão caleidoscópica da vida

A última vez que encontrei com Trudel ela me presenteou com um caleidoscópio. Sim, era este o seu nome: Trudel. Um nome singular para uma pessoa singular. Conheci-a tempos atrás, antes de começar a correr mundo. Mesmo com o revezar dos anos e com a distância geográfica que se interpôs entre nós, sempre guardei na memória a imagem desta senhora extrovertida, afetiva, ágil, rápida, detentora de uma enorme força de vida.

Quase duas décadas se passaram e, quando a reencontrei, ela pouco havia mudado. Seguia, praticamente, a mesma pessoa singular, extrovertida, afetiva, ágil, rápida e detentora de uma enorme força de vida. Eu, porém, tinha amargado muitas perdas, algumas derrotas e certas angústias, que me marcaram a alma e me vergaram o corpo.

Na última vez que encontrei com Trudel e que ganhei o caleidoscópio, falamos de amenidades. Nada comentamos sobre as marcas indeléveis da vida, sobre perdas, sobre derrotas, sobre angústias. Mas ela, com a sabedoria própria dos que já cruzaram sete décadas, percebeu meu olhar mais opaco. E logo veio com a solução. Sem dizer nada, presenteou-me com um caleidoscópio e com um texto, intitulado A visão caleidoscópica da vida.

"Na vida, as coisas nem sempre são o que parecem ser. Se olharmos por diferentes ângulos, poderemos enxergar algo novo", escreveu Elen de Oliveira. A filosofia básica é ver a realidade como um caleidoscópio. "Ao se girar as idéias na mente, vê-se o problema de uma forma distinta, como ocorre com a metamorfose das imagens." Para Elen, isto é o que se convencionou chamar de pensamento caleidoscópico, uma busca de novas perspectivas para um mesmo fato ou uma mesma emoção.

Quando me despedi de Trudel, não sabia que esta seria a última vez que a veria com vida. Parti com o meu caleidoscópio embaixo do braço, certa de que isto me ajudaria a enfrentar novos problemas, novas perdas, novas derrotas e novas angústias, que, sem dúvida, cruzariam por meu caminho. Pois, já havia aprendido, assim são os caminhos da vida... truncados!

Trudel partiu. Deixou para todos a imagem da pessoa singular que sempre foi. Deixou para todos a imagem de uma senhora extrovertida, afetiva, ágil, rápida, detentora de uma enorme força de vida. E deixou para mim o legado de se enfrentar a vida com uma visão caleidoscópica.

Enquanto todos a velavam, choravam sua partida, rememoravam situações, comentavam sobre os males do corpo que lhe fizeram cruzar a invisível linha entre a vida e a morte, fiquei pensando na última lição que Trudel me dera. Ainda lá, no cemitério, girei na minha mente pensamentos, emoções, idéias, buscando a forma ideal, a imagem mais perfeita, na tentativa de, naquele momento, atingir a visão caleidoscópica da vida. E da morte!

Por um instante, entendi melhor o ensinamento de Trudel. A última lição de vida que a senhora extrovertida, afetiva, ágil, rápida, detentora de uma enorme força de vida havia me legado no nosso último encontro. Último encontro? Será mesmo? Sorri por dentro. Não, não era isto que indicava a imagem formada no caleidoscópio de minha alma. Ah! Se todos, ali, que choravam e rezavam, pudessem ver o que eu via... Mas isto é somente para aqueles que sabem pensar caleidoscopicamente. Este legado de Trudel parecia ser só meu.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

O "nOssO" GuaíBa

O Guaíba era riO até a década de 90, quando passou a ser denominado LagO. Cantado e homenageado poeticamente, ele tem um dos pôres-de-sol mais bonitos do mundo. Dia desses, na inauguração do Barrashopping Sul, uma rede de tevê gravou enquete com o público presente. Todos exaltaram as qualidades do novo centro de compras. Uma delas, na opinião de uma senhora, era "a espetacular vista para o "nosso" Guaíba". Sem dúvida um panorama de encher os olhos...mas com o detalhe que a cidadã esqueceu de mencionar: a admiração era platônica, bem de longe por trás das vidraças...já que o "nosso" Guaíba exala o odor da "nossa" poluição. Eu ainda completaria a frase: "O nosso Guaíba, que envenenamos dia apos dia, o nosso Guaíba que apodrecemos com as imundícies dos que se alienaram da natureza ao ponto de contaminar a própria água de beber".
As reminiscências me vieram quando passava hoje de manhã pelo riacho Ipiranga, irmão menor de tristezas mas nem por isso menos maltratado, já visto como esgoto, para o desgosto da garça que aparece nas fotos. Extática, me fez creditar a ela uma perplexidade, uma estupefação "animal" pelo tão imerecido destino do raro elemento que nos mantém vivos.


Sinara Sandri

Enquanto isso, na linha de fogo, os participantes do Fórum Mundial da Água, organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Japão, e os ativistas que participaram dos Fóruns Sociais da Água em quatro continentes. Eles estão em lados opostos na disputa pelo controle dos recursos hídricos.

Se o controle de reservas de petróleo é motivo para a destruição do Iraque, a hipótese de grandes disputas pelo domínio dos mananciais e de um mercado bilionário de prestação de serviços não parece tão irreal. No caso da água, o teatro de operações incluiria os países com grande disponibilidade de água e colocaria o Brasil na alça de mira de interessados na exploração destas reservas.

“Hoje a disputa internacional é por petróleo, em alguns anos, será pelo domínio dos recursos hídricos”, resumiu Leonardo Morelli, coordenador do Fórum Social das Águas da América do Sul, realizado em Cotia (SP), de 16 a 23 de março.

A previsão poderia soar alarmista, mas também pareceu preocupar os participantes do Fórum Mundial das Águas, realizado no mesmo período, em Kyoto (Japão). A escassez de água já era apontada como causa de guerras nos documentos preparatórios à 2a Conferência sobre Assentamentos Humanos da ONU (Habitat 2), realizada em Istambul (Turquia), em 1996.

Já existem 1,2 bilhões de pessoas sem acesso à água de boa qualidade e 2,4 bilhões de humanos sem saneamento básico. Todos estão preocupados, mas há divergências quanto às medidas a serem adotadas e muitas propostas da chamada cúpula das águas são consideradas pelos ambientalistas como uma tentativa de privatização dos serviços de abastecimento.

De um lado, os organismos internacionais defendem a necessidade de considerar a água como uma mercadoria com valor econômico e a necessidade de investimentos privados para enfrentar a crescente escassez. Do outro, os movimentos sociais reforçam a necessidade de controle público dos mananciais e entendem que a água é um direito fundamental do ser humano.

Uso e poluição

A agricultura recebe 70 por cento de toda a água consumida no planeta. As lavouras irrigadas ocupam um quinto da área cultivada e recebem 15 % da água de uso agrícola. O setor industrial utiliza 22% e o uso doméstico é responsável por 8% deste consumo. Nos países pobres, a agricultura chega a consumir 82% da água e a indústria leva 59% da água em nações ricas.

Além do uso intenso e das perdas no sistema de abastecimento e irrigação, a atividade humana deixa pegadas e produz diariamente 1.500 quilômetros cúbicos de águas contaminadas por resíduos industriais, químicos, humanos e agrícolas.

Cada litro de água poluída inutiliza oito litros de água doce.

(Jornal Extra Classe/POA)


terça-feira, 2 de dezembro de 2008

PintOres cOm a bOca e Os pés

As fotos a seguir fazem parte do Calendário 2009 dos Pintores com a boca e os pés, do RJ.


A entidade congrega pessoas que não possuem condições de movimentar braços e mãos, ou não os têm. Mas nem por isso perderam a coragem de tentar.

Pintam estas belezas com a boca ou os pés, e mandam pelo correio para quem quiser, por apenas R$39,50.

Este ano o calendário vem acompanhado de cartões postais, imagine mandar um desses pra alguém que você ama?

Você pode encomendar quantos calendários quiser, pelo telefone 11 5051 1008. Ainda há tempo...eles representam a geração de renda de centenas de artistas com a boca e os pés.

E como oferenda, o Atelier CaLeidOscÓpicO fez sua viagem GeOméTriCa nas cores e linhas das obras dos pintores, emprestando a elas o conceito holográfico.

Convido você a oferecer expressar a alegria e a ternura que sentiu, como retribuição por estas imagens. Eles me mandam todos os anos a cartinha com as pinturas e o doc para pagamento no banco.
Eu poderia escolher ficar com as imagens, mandar os cartões e esquecer o depósito. Só que eu imagino a alegria nos olhos deles ao ver o reconhecimento pelo tremendo esforço que fazem para segurar o pincel com a boca e os pés e criar tanta beleza com a limitação. Enquanto muitos, muitos mesmo, no meu bairro, na minha cidade, têm braços e não acreditam - escolhem a autopiedade, e estendem as mãos nas calçadas, para longe de si mesmos.

domingo, 30 de novembro de 2008

13/12/2008 - das 14h às 18h.

Oficina de construção do brinquedo CaLeidOscÓpiO (Kalos= BeLo, Eidos=imagem, Skopo=ver. Admirar belas imagens)
Construiremos no padrão óleo - mais especificamente vaselina - líquido onde são colocadas as pecinhas coloridas, dentro de um tubo de ensaio de vidro transparente. Caindo no ambiente liquido, as mandalas ficam animadas e viram cinema.

Cada integrante sairá da oficina com o seu brinquedo.
Iniciaremos com a parte teórica: mandalas, ciência de luz, aplicações matemáticas, geometria sagrada, Sociedade Internacional do caleidoscópio- Brewster Society e a história do brinquedo, descobrimento e trajetória.

Investimento inclui todo o material: espelhos, tubos de ensaio, vaselina, tubos plásticos reciclados, colas, tesouras, tintas, acetatos, pistolas, etc. Investimento na saúde e na felicidade: R$100,00.

A visãO CaLeidOscÓpiCa na BiOnaT

Encerrando o final de semana, estive na Feira de produtos orgânicos, fitoterápicos e medicinais Bionat Expo e Mostra de Turismo Rural, ecológico e sustentabilidade Socioambiental, que aconteceram neste final de semana no Cais do Porto em Porto Alegre. Em primeira edição, o evento já promete intercâmbios internacionais para o proximo ano, de acordo com informações da Diretora Executiva VERA MARSICANO e da coordendora PATRÍCIA ROSA.
www.bionatexpo.com - Produção e organização Produtores sem fronteiras (51 3226 8692).
Entre os expositores, a VIA VERDE CONSULTORIA PAISAGISMO, que mostrou os projetos paisagísticos ambientados e móveis rústicos como o banco com cobertura verde..uma parreira...carregada de uvas..


A chaise long de madeira possui a parte inferior articulada, pode ser tirada e se transforma em uma cadeira curta. O preço é de 600 reais na Reichembach Madeiras (51 3241 0109 - reichembach@terra.com.br).

E a sala de estar nos convida ao relax.
Relaxar neste ambiente é moleza..ainda mais se tivermos a companhia de um caLeidOscÓpiO, como fizeram a DAISY CHOLLET...

..e a PAULA BRUM, da VIA VERDE.


A BUTIK ORGÂNICA levou produtos de alta qualidade...
como a COSMÉTICA PROPHITO...



..e a erva mate orgânica HERBAL - trajetória de 15 anos de pesquisa e implantação do erval. O resultado é a erva mate pura e livre de qualquer agrotóxico ou adubo químico. Faz um chimarrão natural e suave, que conserva todas as propriedades nutritivas da planta. Sem açúcar, sem glúten e embalada a vácuo, o que garante maior tempo de conservação.



A ADRIANE GENZ, diretora comercial da BUTIK ORGÂNICA (www.butikorganica.com.br * 51 3407 9952) identificou a minha admiração pelo chimas, e me presenteou um quilinho da Herbal. Estou degustando com calma, na chegada em casa já preparei a primeira cuia, e é suave mesmo. Acho que 50% a Adriane já me conquistou a gentileza...se me agradar, troco mesmo. É que meu paladar tem sido arrebatado pela erva do carijo, também chamada de barbaquá, cuja secagem é com fogo, conferindo um sabor defumado à folha. Custa R$ 4,50 contra R$ 8,00 da Herbal..mas se ganhar em qualidade pagar mais não considero perda. (www.mateherbal.com.br)


Finalizando a visita, depois de um pão de queijo no estande da VERA LÚCIA CORRÊA (alimentação na linha macrô de Tomio Kikuchi), comprei alguns óleos essenciais da VERBHENA ASSOCIADOS, com sede no Distrito Industrial da Restinga. Com atendimento 13:20 amigo e gentileza, a ELIANE MATTER me ajudou e escolhi Alfazema, limão siciliano e hortelã. (www.verbhena.com.br - 51 3250 3109)


Além dos óleos essenciais, a associação também produz moranguinhos sem veneno, pasta de cenoura e outras delícias. Aliás, que delícia de feira, pois a gente come sem culpa, o alimento sendo remédio, como queria o Hipócrates! E o slogan foi IDÉIAS SÃO SEMENTES. Sem dúvida germinarão fortes e no próximo ano mostrarão seus ramos. E o ATELIER CALEIDOSCÓPICO estará lá, convidado que foi pela organização. Já estamos projetando a participação.


Adicionar imagem
E pra fechar o domingo, nada como uma visitinha à amiga Linda, minha vizinha. De ascendência alemã, ela é um repositório de memórias da nossa rua, e estou sempre de ouvidos bem abertos para ouvir seus relatos. Esteve em nossa companhia o sabiá, cujo nascimento se deu no terreno dela, cresceu, casou e por lá ficou. Eles são territoriais, constituem família e ficam! comemora a Linda. A gata preta dela tem um sininho na coleira para alívio dos pássaros. O oásis verde fica no "pé" do Morro Santa Teresa, em meio a bosques e matas nativas, protegidas como áreas de preservação ambiental. Para se ter uma idéia mais delineada, há inclusive uma chacrinha, onde entre árvores centenárias e taquareiras corre uma fonte cristalina. Paraíso muito bem protegido da descontrolada densidade demográfica humana por um trio de cães dobberman. Informações do garimpo desta moradora.



E atenção!
O programa Hare Krishna Food For Life, divulgado através de estande na Bionat, convida todos a conhecer a proposta, que é levar alimento a quem não pode comprar.
A Sociedade Internacional para Consciência de Krishna POA e o programa podem ser conhecidos na página http://alimentosparavidars.blogspot.com. Lá existe um numero de telefone para agendar entrega de doações. Caixas de leite longa-vida são recicladas e viram pratos para servir alimento. ELES VÃO NA TUA CASA BUSCAR.

A visãO CaLeidOscÓpiCa dO fim de semana


A visãO CaLeidOscÓpica da vida captou imagens belas, coloridas e singelas por este final de semana. A começar pela tradicional manhã na feira dos agricultores ecologistas, no bairro Menino Deus. Entre tantas atrações gustativas, la está sempre o chimas da Léia para nos receber. Sem falar nos livros, os titulos ligados área humanista e ambiental que ela vende pela Livraria Via Sapiens. Admiradora dos felinos, comprei o livro Conversando com os Gatos, de Kate Solisti-Mattelon, cuja leitura me impressionou pela abordagem. Há perguntas que sempre tive vontade de fazer sobre estes seres, respondidas pelos próprios gatos! Maluquice? Pra saber, só lendo o livro.


Para quem não sabe, começa às sete da manhã e termina à uma da tarde no pátio da Secretaria de Estado da Agricultura, na Av. Getulio Vargas 1.384 em Porto Alegre.
A visão circulou entre os amantes do caleidoscópio, como a Ana Lombardi, que recebeu um novinho e compartilhos as belezas da geometria holográfica com os amigos.













A neta, Sofia, já uma fâ dos espaços lúdicos da feira, percorreu as bancas e eu repasso aqui as dicas de algumas delícias da feira ecológica. Nas quartas o horário é verpertino, das 14 às 18h.
































































































































































































































Enquanto a Sofia neta da Ana Lombardi mostrava tudo isso, a xará Sofia filha da Léia, da banca dos livros, movimentou as meninas em torno do mundo da imaginação para criar histórias...e brincar de casinha, claro.



































Mais adiante, a Nanda e a Mariana esparramavam seus brinquedos e tentavam desorganizar um pouco a tridimensionalidade adulta.